LÍQUEN PLANO PILAR e FAPD

Alopecia fibrosante em distribuição padrão androgenética

Líquen plano pilar é uma doença inflamatória crônica do couro cabeludo, que pode levar a alopecia cicatricial, isto é, perda definitiva de fios do cabelo, que são substituídos por fibrose (cicatriz) nas áreas afetadas. Ela pode acometer todo o couro cabeludo, sendo mais frequente na região do vértex, mas há relatos de acometimento de pelos de outras regiões do corpo. A incidência desta doença vem aumentando progressivamente, sendo mais comum em mulheres, a partir dos 40-50 anos. O diagnóstico é feito pela Dermatoscopia de Couro Cabeludo e biópsia da área afetada. O tratamento deve ser iniciado o mais breve possível, para impedir a progressão da doença; sendo indicados medicamentos orais, tópicos e infiltrações intra-lesionais.

Mais recentemente, foi descrita uma forma de alopecia cicatricial que clinicamente se assemelha à alopecia androgenética feminina, com rarefação no topo da cabeça: a FAPD – alopecia fibrosante em distribuição padrão androgenética. Na dermatoscopia, observamos miniaturização (afinamento) dos cabelos, como na alopecia androgenética feminina. Porém, identificamos também sinais inflamatórios e sinais de fibrose no couro cabeludo, semelhantes aos encontrados no líquen plano pilar. Há discussão na literatura se a FAPD constitui uma variante clínica do líquen plano pilar, associada com alopecia androgenética, ou uma entidade própria. O tratamento se baseia tanto em reverter o afinamento dos fios, quanto controlar o processo inflamatório.

Por isso é importante, quando houver queixa de queda ou rarefação dos cabelos, consultar um dermatologista, que é o médico especialista nas doenças dos cabelos e do couro cabeludo. Ele tem conhecimento médico para realizar o diagnóstico correto e o tratamento adequado, pois quanto mais precocemente for adotado um tratamento efetivo, mais unidades foliculares serão poupadas.

 

×

Powered by WhatsApp Chat

×